Cartel

A experiência de trabalho em cartel foi formulada por Lacan em torno da questão da formação do analista.

O cartel é, em suma, um trabalho de leitura, sustentado num pequeno grupo, composto de três a cinco pessoas; mais Uma cujo papel é o avesso de um líder. Esse é o seu primeiro desafio. Pois cabe a esse último dar destino e consequência ao trabalho de cada um, a partir de sua própria leitura. O que fundamenta, então, o cartel é a realização de um trabalho de elaboração onde cada um sustenta o que tem a dizer, a partir de seu percurso particular de formação. É dessa forma que nos abre a possibilidade de destacar em que a leitura  concerne ao que é da ordem da prática analítica. É um trabalho que nos permite interrogar, um a um, a partir dos efeitos dessa experiência de leitura, os impasses e saídas franqueadas por cada um, em sua análise pessoal. Lacan sublinha que aquilo que é da ordem dos efeitos de uma análise não se pode recolher em grandes grupos. Sendo assim, o trabalho de leitura nos cartéis nos faz engajar em uma reflexão sobre questões cruciais da formação do analista, muitas vezes aterradas sobre os regulamentos, as regras, as hierarquias e as rotinas.

A Tykhe abre essa possibilidade para aqueles, associados ou não, que se interessarem em propor um tema e/ou um texto para realizar uma leitura em cartel. Para isso, é necessário que o interessado venha pessoalmente inscrever a sua proposta no nosso mural. Se alguns outros apostarem também na mesma ideia, poderá acontecer um cartel.