Týkhe­ Associação de Psicanálise 

Seção Clínica

A Psicanálise, desde sua invenção por Freud, nunca se pretendeu, tão somente, ser um novo saber, desvinculado de sua experiência clínica.

 

Lacan inaugura a seção clínica em 5 de janeiro no ano de 1977 com a seguinte formulação: “O que é a clínica psicanalítica? Não é complicado. Ela tem uma base – é o que se diz em uma psicanálise”. Chega a desconsertar um enunciado de tamanha simplicidade e que, no entanto, procede, em proporção inversa, de uma condensação tamanha; de um longo percurso de síntese e redução. Estão aí embutidos nessa formulação uma teoria do sujeito (o significante como causa material do sujeito), e o papel que nessa teoria é exercido pela linguagem (o incons-ciente estruturado pela linguagem; o inconsciente é o que se diz; o inconsciente no significante).

 

Isso que se diz vem da voz do analisando, impulsionado sob a promessa de que a questão endereçada àquele Outro sabido, pudesse receber de volta uma resposta arranjada com palavras na mais justa adequação às coisas, que bastaria; nada restaria. “Eu me pergunto o que queres, eu te pergunto o que sou” O psicanalista faz diferença. “Então é preciso clinicar”, diz Lacan. O que se passa do lado do analista? Segundo Porge, há um termo que marca a dessimetria entre a posição do analisando e a do analista na dimensão da clínica psicanalítica, é trancher, palavra de múltiplas acepções: fatiar, dividir, separar, decidir, tomar uma decisão, interromper uma conversa, cortar. Na prática “do que se diz”, que é propriamente o dispositivo analítico, o que determina a posição do analista, de seu ato, é que ele corta.

 

Na prática clínica do que se diz, no instante em que a palavra (do analisando) arde, o psicanalista corta antes que se diga que o sujeito já vai tarde. Se o analista encarna essa função de corte, é por ocupar um lugar na transferência e no discurso analítico – o psicanalista faz parte do conceito do inconsciente, uma vez que é a ele que se destina “o que se diz”. De modo que a razão primeira para situar o analista do lado do trancher vem, então, do seu colamento com o inconsciente.

 

Lemos ainda na “Abertura da Seção Clínica”: “Proponho que a Seção que se intitula da ‘clínica psicanalítica’ seja uma forma de indagar o psicanalista, de pressioná-lo a declarar suas razões”. Enuncia-se assim uma nova nuance para o termo seção, uma vez que a clínica psicanalítica acontece pelo advento de um corte, de uma secção pelo qual o psicanalista declara às claras as razões do ato que cometeu e que lhe acometeu.  A seção clínica é onde a prática do psicanalista é posta em questão, lugar onde a razão que a fundamenta possa não só ser mostrada, mas também elaborada, em sessão compartilhada.

 

A Seção Clínica dentro da Týkhe - Associação de Psicanálise é o lugar privilegiado para que tais questões relativas a essa prática possam se realizar. Questões estas que envolvem tanto os conceitos fundamentais, a metapsicologia, quanto o desejo do psicanalista.

O que pode um analista transmitir de sua prática a um público? A aposta é que a transmissão aconteça na medida em que a psicanálise em intensão se desdobre em psicanálise em extensão, a partir da articulação da clínica com os textos de Psicanálise. Articulação esta que se sustenta a partir do desejo do analista.

 

A seção clínica se dá num 2º tempo do acontecimento clínico, momento em que se inclui o 3º elemento. Cai o fato. Surge o caso clínico.

 

Nossos encontros têm frequência mensal, e são reservados aos membros da Týkhe, responsáveis pelo acontecer da Secção Clínica, o que não exclui que possa haver convidados. Trataremos dos impasses do psicanalista em sua prática, sempre clínica. Lembrando que a clínica se realiza no encontro do psicanalista com o sujeito, seja o encontro no consultório, na instituição ou até mesmo na rua, como um acontecimento.

 

Privilegiamos o encontro com o Real que pode levar um praticante a querer trazer à baila seus impasses, aventurar-se a testemunhar seu encontro, produzir e fazer passar uma questão.

 

A Seção Clínica e a Apresentação de Pacientes se enlaçam, mas não se confundem - à medida que houver a segunda, esta será trabalhada, por um único anotador, que trará suas elaborações por escrito na seção clínica.

 

A agenda é aberta à surpresa, um convite aos associados da Týkhe para que se apresentem.

 

Coordenadores:

Antonio Moreira Lima Jr.

Luis Américo Valadão Queiroz