Transmissão

Grupos de leitura, seminários, cursos e atividades.

Grupo de leitura sob a transferência - Seminário 8, Jacques Lacan

Na transferência, um dos conceitos fundamentais da Psicanálise, o que se atualiza, é a relação do sujeito com o objeto, não o objeto como mercadoria, mas o objeto que causa desejo e move o sujeito. É com esse objeto que jogamos, que operamos na transferência. Será a partir dele que lançaremos os dados em 2020.

Grupo de leitura da obra de S. Freud: “O sonho e sua interpretação”

Partimos da premissa de que o sonho, ao ser interpretado, se revela como lugar de articulação dos significantes que representam aquele sujeito singular com os significantes da cultura em um determinado momento histórico.

(Per)curso de leitura – A fantasia em Freud: clínica e arte

O percurso de leitura sobre a fantasia na obra de Freud visa situar esta fundamental função para o psiquismo: a fantasia. Estabelecida por Freud como aquilo que articula a relação do sujeito com a realidade externa, é crucial para o manejo clínico. A via pela qual escolhemos percorrer para fazer esta articulação é a da arte, utilizando de textos de peças de teatro e de literatura, a partir dos quais trabalharemos sobre como se dá a estruturação da fantasia.

Pesquisa em teatro e psicanálise

O grupo de pesquisa em teatro e psicanálise vem trabalhando a partir do texto de Freud “Totem e Tabu”, fazendo um levantamento de questões que movem um processo de criação teatral. Pensar uma montagem e escrita de uma peça implica, para este grupo, trabalhar os pontos comuns da experiência presentes nestes dois campos. O teatro grego era uma leitura do funcionamento do laço social que produzia efeitos na civilização; a descoberta do inconsciente por Freud produziu uma nova discursividade na modernidade. Ser lido por uma peça teatral e ser lido em psicanálise pela experiência do “isso fala” do inconsciente, promove efeitos de sujeito e no laço social.

A poética do insconsciente: o infantil (en) cena

Quando uma criança adentra ao nosso consultório desorganiza tudo, o consultório, os brinquedos e materiais, os nossos saberes e as nossas ideias. Quase sempre nos é trazida pela mãe e carrega o seu sintoma e a queixa dos pais e ou professores. No decorrer dos atendimentos põe em cena e encena o que de fato está operando e fazendo eclodir o sintoma.